Arquivo do mês: janeiro 2007

Museu Rodin Bahia

Detalhes da fachada do recém restaurado Palacete do Comendador Bernardo Martins Catharino ( 1862-1944), espaço que abriga as obras do francês Auguste Rodin:

 

À entrada do Museu, o transeunte já se depara com a beleza da fachada e o belíssimo jardim que abriga quatro obras originais adquiridas pelo Governo da Bahia e pela iniciativa privada. O Museu receberá, em regime de comodato com o Museu Rodin de Paris, 62 obras a partir de março de 2007, as quais serão expostas nos suntuosos salões do palacete.

 

Na foto acima, detalhes da área externa do Museu Rodin Bahia, o jardim e o calçamento xadrez em branco e vermelho de onde se ergue  Jean de Fiènnes nu (Rodin, 1886). Abaixo, a escultura em ângulo frontal:

Na entrada, a escultura  L’ homme qui marche sur colonne (Rodin, 1877):

O  Torse de l’Ombre (Rodin, 1901): 

E, no mesmo jardim à entrada também,  La Martyre (Rodin, 1885):

Em detalhes:

Sobre o Museu, visite aqui informações sobre o baiano@ , veja o site oficial do Museu Rodin Bahia @ ou viaje aqui até o museu em Paris @.

Anúncios

Museu Rodin na Bahia

 

A fim de estreitar os laços históricos que existem entre a  Bahia e a França, no recém restaurado Palacete de Bernardo Martins Catharino, os baianos contarão com a exposição das obras de Rodin que virão de Paris num regime inédito de Comodato ( a França cedeu 62 obras originais). A proposta foi idealizada por Emanuel Araújo, artista plástico baiano e ex-diretor da Pinacoteca de SP, numa parceria firmada com Jacques Vilain, diretor do Museu Rodin Paris.

O Comendador

  

A onda de modernização das metrópoles rouba, muitas vezes, da cena urbana, jóias da arquitetura antiga. O Governo do Estado adquiriu o palacete construído em 1912 antes que ele fosse demolido para dar lugar às construções modernas ou aos prédios de alto luxo que hoje se vêem no antigo e tão nobre ainda bairro da Graça. 

Bernardo Martins Catharino (1862-1944) nasceu em Portugal, no povoado de Santo André de Poiares, próximo a Coimbra. Foi enviado pela família ao Brasil aos 13 anos para trabalhar na empresa de seus patrícios Joaquim José da Costa & Irmão. Tornou-se cedo gerente e casou-se com Úrsula da Costa, filha do patrão, passando a sócio da firma antes mesmo dos 21.

Mudou-se para Salvador, reergueu firmas falidas após tornar-se sócio delas e já acumulava fortuna,  a esta altura, em negócios imobiliários, além de vasta experiência comercial.  Salvou da bancarrota a União Fabril (em Itapagipe) que passou a se chamar Companhia Progresso União Fabril e tornou-se a maior empresa têxtil da Bahia com 5 fábricas e três mil operários. Antes mesmo da era Vargas, Catharino já presenteava seus trabalhadores no mês de aniversário com um salário e construiu escola para os filhos dos operários.

Os místicos e pesquisadores antigos, aficcionados por seitas e mistérios, gostarão de saber que Bernardo Martins Catharino recebeu do imperador o título de COMENDADOR DA ORDEM DA ROSA (segundo a História, por causa de sua ação na Santa Casa de Misericórdia em Feira de Santana).

Ofertou o altar-mor da Catedral  Basílica de Salvador (antigo Colégio dos Jesuítas) e também o da capela da Igreja do Bonfim.

Faleceu em 1944. Na ocasião, foi lembrado seu costume de manter junto à chávena de ouro a tigela de barro trazida de casa e onde comera no navio ao vir para o  Brasil. Explicava aos curiosos: “É para eu não esquecer o que fui”.